Página Principal A Associação Eventos/Notícias Contactos Mapa do site
  AMIBA
Associação de Criadores de Bovinos de Raça Barrosã

Efectivo


Existem duas áreas geográficas bem definidas, quer em acidentes orográficos, quer nas condições edafo-climáticas. Assim, o Minho, de constituição granítica apresenta-se bastante cortado por vales profundos delimitando serras, em que as vertentes geralmente abruptas, dão passagem a extensos planos largos e bem desenvolvidos. O seu conjunto verifica-se que as serras minhotas vão aumentando de altitude do litoral (serra de Arga, 816 m) para o interior (serra da Peneda, 1373 m; serra Amarela, 1361 m; serra do Gerês, 1431 m; serra da Cabreira, 1256 m) originando o tão característico anfiteatro minhoto. Por seu lado, o Barroso de constituição granítico-xistosa, uma região essencialmente montanhosa e planáltica tem na serra das Alturas (1279 m), com os seus "cotos" graníticos, e a serra do Larouco (1525 m), as elevações mais pronunciadas.

clique sobre a imagem para ampliar


Estas duas regiões ligam-se da serra do Larouco para a do Gerês por uma linha de picos de 1200 a 1300 m que corre ao longo da fronteira.


Não podemos deixar de destacar, ao observar o maior desenvolvimento somático da raça no seu solar e também no concelho de Paredes de Coura, a participação positiva que lhe teria dado a composição geológica planáltica dos solos, que em Paredes de Coura apresenta solos derivados de rochas do complexo xisto-grauváquico e o Barroso com granitos porfiróides e rochas metamorfisadas (gnaisses, migmatitos e xistos). No Minho os solos que derivam dos granitos são geralmente de textura ligeira (francos, franco-arenosos ou areno-argilosos), bastante permeáveis, pouco profundos e facilmente trabalháveis, são deficientes, essencialmente, em fósforo, magnésio, cálcio, e razoavelmente providos de potássio, sais de ferro e alumínio, pelo que se justifica o elevado grau de acidez que apresentam. No Barroso os solos são pouco profundos, de textura ligeira, e escuros, de elevada acidez e ricos em matéria orgânica, devido a grandes incorporações de estrumes de origem animal e vegetal.
A origem da raça perde-se na ancestralidade dos tempos sendo o seu solar, o Barroso, constituído pelos concelhos de Montalegre e Boticas, as freguesias de Campos e Ruivães de Vieira do Minho e a freguesia de Gondiães de Cabeceiras de Basto; expandiu-se de tal forma que descendo o anfiteatro minhoto chega a ocupar os concelhos do litoral norte até ao Porto. Este foi o seu período áureo que coincide com a exportação, pela barra do Douro, de bois adultos e castrados, que depois de engordados, eram vendidos para Inglaterra. Hoje é incluída nas raças em vias de extinção, isto é, com menos de 7.500 animais em produção.


O declínio da raça deveu-se, no seu solar, a vários factores, nomeadamente: a expansão da cultura de batata semente e consequente exigência de trabalho animal; melhor condição dinamófora da raça Mirandesa; maior estatura e precocidade do Mirandês o que faz aparecer os cruzamentos e a consequente heterose ou vigor híbrido. Com a Mirandesa aparece outra raça, a Maronesa, não havendo ainda hoje casa de lavoura tradicional que não tenha uma junta de bois castrados maroneses para fazer os trabalhos agrícolas.


Na região de Entre-Douro e Minho, no distrito do Porto e no litoral, as fêmeas foram substituídas pelas vacas turinas e os bois foram substituídos, também por novilhos turinos, de mais rápido desenvolvimento, prática esta iniciada nos concelhos de Lousada, Paredes e Penafiel e que alastrou até ao litoral. A redução drástica do número de bois de trabalho dá-se com a introdução e vulgarização da mecanização agrícola.

clique sobre a imagem para ampliar


Hoje verifica-se um retorno às origens, sendo os limites da raça os concelhos de Montalegre e Boticas, no distrito de Vila Real; os concelhos de Amares, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho e Vila Verde, do distrito de Braga; os concelhos de Arcos de Valdevez, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Valença, do distrito de Viana do Castelo; e os concelhos de Felgueiras e Paços de Ferreira, do distrito do Porto. Podem-se, ainda, encontrar alguns exemplares da raça Barrosã em explorações agrícolas nos concelhos de Ribeira de Pena, do distrito de Vila Real; Santo Tirso, do distrito do Porto; Vila Nova de Famalicão, Barcelos e Esposende, do distrito de Braga; Vila Nova de Cerveira, do distrito de Viana do Castelo; e Sertã, do distrito de Viseu.


O censo verificado entre 1926 e 1959 e 1976 há uma queda drástica no efectivo masculino de 50% agravada de 1976 a 1999 que já não é de 50% mas sim de quase 100%; esta recessão tão grande no efectivo masculino, representado pelos bois castrados, equivale à sua quase total substituição pela mecanização. Os trabalhos agrícolas hoje são feitos por juntas de vacas que melhor rentabilizam as explorações.

 

1870 a

1926 b

1940 c

1959 d

1976 d

2012 e

Distritos

M

F

M

F

Total

M

F

M

F

M

F

Braga

31.121

15.724

33.062

41.699

98.694

29.601

67.376

18.019

49.409

183

2.820

Porto

43.176

99.946

52.245

26.908

35.446

14.450

5.994

865

1.285

2

13

Viana Castelo

17.767

14.199

17.736

38.590

72.289

9.799

43.297

6.194

34.005

80

2.769

Vila Real

10.237

14.632

-

-

17.633

1.220

10.290

570

4.010

168

1.361

Total

102.301

144.501

103.043

107.167

224.062

55.070

126.957

25.648

88.709

433

6.963

 

Fontes:
a - Silvestre Bernardo Lima (1873)
b - Amorim (1928)
c - Direcção Geral dos Serviços Pecuários (1940)
d - Garcia et. al. (1981)
e - AMIBA (2013), animais registados no Livro Genealógico

A variação negativa do efectivo feminino entre 1976 e 2012 é cerca de 92%. A recessão observada na raça nos últimos anos deve-se em primeiro lugar ao êxodo das populações rural e consequente abandono das explorações agrícolas; à mecanização agrícola; à substituição por raças de aptidão leiteira; introdução de novas culturas; à florestação e ao envelhecimento da população rural. Hoje nota-se uma estabilização dos efectivos, devido principalmente aos prémios pagos à produção, nomeadamente às medidas Agro-Ambientais, indemnizações compensatórias e prémio às vacas aleitantes.