Página Principal A Associação Eventos/Notícias Contactos Mapa do site
  AMIBA
Associação de Criadores de Bovinos de Raça Barrosã

Sistema de Exploração

A Raça Bordaleira de Entre Douro e Minho é criada em pequenas unidades agrícolas, normalmente de auto subsistência, constituindo-se em pequenos rebanhos que são explorados como complemento dos bovinos, geralmente considerados como a principal produção das explorações. Estes rebanhos, ao pastorear em conjunto, permitem um maior aproveitamento das disponibilidades forrageiras e uma rentabilização dos excedentes.


clique sobre a imagem para ampliar



Nas aldeias em que existiam vários rebanhos pequenos era comum haver apenas um ou dois reprodutores masculinos para todos os rebanhos, uma vez que se tornava pouco viável a manutenção de um macho para beneficiar duas ou três fêmeas. Estes reprodutores eram normalmente propriedade do maior criador, pastoreando durante todo o ano com o seu rebanho e permitindo, normalmente no início ou no final do dia, o benefício dos animais dos criadores vizinhos.

Actualmente, estes animais só são explorados na função creatopoiética, com o abate dos borregos para venda em talhos da região ou para auto-consumo.

Existem actualmente três procedimentos típicos: abate ao mês de idade, sendo os borregos vendidos de imediato para restaurantes, o abate aos 4 a 5 meses de idade, altura em que são tradicionalmente desmamados e vendidos, produzindo carcaças com um peso médio que ronda os 8 a 12 Kg.

Há uma festa anual, por altura do S. João (finais de Junho) em que os borregos são abatidos com 7 a 12 meses de idade e um peso que ronda, em média, os 15 kg por carcaça.

Como já foi referido, o principal objectivo do criador de ovinos de raça Bordaleira de Entre Douro e Minho é a produção de carne. No entanto, existem outras motivações, como a produção de estrume ou a limpeza de campos, que concorrem em igualdade para o interesse da manutenção destes animais.

A produção de lã, que outrora foi a principal razão da criação destes animais, é hoje uma despesa considerável para a exploração, uma vez que a lã já pouco vale, ao contrário da mão-de-obra em crescendo constante, tornando a tosquia mais onerosa do que o seu resultado.

A pequena dimensão das explorações, aliada ao consequente baixo encabeçamento, à falta de carneiros de elevado gabarito étnico, ao baixo nível de escolaridade, bem como à elevada idade dos proprietários, torna qualquer acção de melhoramento extremamente difícil e dispendiosa.

Quadro n.º 1 - Evolução do efectivo da raça Bordaleira de Entre Douro e Minho
ANO 1870a1934a1940a1955a1972a 20072010
TOTAL150.924242.195302.805270.423131.92868506052
a - Arrolamentos Gerais de Gados – total de ovinos por distritos (F. Cabral Calheiros in Boletim Pecuário, 1981). b – Animais da raça Bordaleira de Entre Douro e Minho inscritos no Registo Zootécnico desta raça (AMIBA, 2010).